17.8 C
Patrocínio
quarta-feira 19 janeiro 2022
- Publicidade -
- Publicidade -
Início ESPECIAL CORONAVÍRUS Covid-19 é reconhecido como acidente de trabalho em Minas Gerais

Covid-19 é reconhecido como acidente de trabalho em Minas Gerais

A Justiça do Trabalho de Minas Gerais admitiu que morte por Covid-19 pode ser vista como acidente de trabalho, com indenização de R$ 200 mil à família da vítima. O caso em questão é de um motorista que trabalhava em uma transportadora.

O juiz da Vara do Trabalho de Três Corações, Luciano José de Oliveira, determinou que houve risco assumido por parte da empresa, já que a mesma permitiu que o trabalhador continuasse exercendo sua função durante a pandemia e sem comprovação de adoção de medidas de seguranças para se proteger.

O valor da indenização deverá ser dividida entre a filha e a viúva do motorista. Além desse valor, foi determinada uma pensão por danos materiais. Não se sabe ainda o valor dessa segunda indenização.

A ação judicial na qual a família iniciou, pedia uma reparação compensatória pela morte do trabalhador, que contraiu o Covid-19 enquanto fazia uma viagem entre Extrema, no sul de Minas, em Maceió e Recife. Segundo a justiça, o trajeto durou dez dias. Ele precisou ser internado depois dos primeiros sintomas apareceram em 15 de maio de 2020, pouco dias após o seu retorno pra casa

A transportadora alegou que o caso “não se enquadra na espécie de acidente de trabalho”, em defesa, e relatou que “sempre cumpriu as normas atinentes à segurança de seus trabalhadores, após a declaração da situação de pandemia”, segundo nota encaminhada à imprensa pela Justiça.

“Na visão do juiz, o motorista ficou suscetível à contaminação nas instalações sanitárias, muitas vezes precárias, existentes nos pontos de parada, nos pátios de carregamento dos colaboradores e clientes e, ainda, na sede ou filiais da empresa. Prova testemunhal revelou, ainda, que o caminhão poderia ser conduzido por terceiros, que assumiam, como manobristas, a direção nos pátios de carga e descarga. Situação que, segundo o juiz, aumenta o grau de exposição, sobretudo porque não consta nos autos demonstração de que as medidas profiláticas e de sanitização da cabine eram levadas a efeito todas as vezes que a alternância acontecia”, diz fragmento do texto.

No decorrer do processo, a empresa não informou a quantidade disponibilizada de álcool em gel e máscara ao motorista, “não sendo possível confirmar se era suficiente para uso diário e regular durante os trajetos percorridos”, escreveu o juiz.

“No caso examinado, não há elementos que possam incutir na conclusão de que ela teria se verificado da maneira alegada pela empresa, por inobservância contundente de regras e orientações sanitárias, valendo registrar que o ônus na comprovação competia à reclamada e deste encargo não se desvencilhou”, diz parte da decisão.

 

 

 

 

 

- Julinho Pinturas -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

-Onnet Telecom -

ULTIMAS NOTÍCIAS

OUTRAS NOTÍCIAS

REUNIÃO DA REDE DE PROTEÇÃO PREVENTIVA – BAIRROS JARDIM CALIFÓRNIA E...

Na data de 26 de outubro de 2020, foi realizada REUNIÃO de implementação da REDE DE VIZINHOS PROTEGIDOS dos bairros Jardim Califórnia e Jardim...

Prefeitura de Patrocínio adere a feriado de Corpus Christi mas funciona...

Amanhã, 03 de abril é celebrado o Dia de Corpus Christi pela Igreja Católica, não se trata de um feriado, as prefeituras podem funcionar...

Horácio está desaparecido!

ULTIMAS NOTÍCIAS

- Julinho Pinturas -
- Vital Gás -
- Escola Solução -
- Luciana Santos Estética -
- Funerária Nova Aliança -
- Cantina do Leitão -
- Academia Bella Forma -
- Criativa Móveis -

TEMPO / CLIMA

Patrocínio
nublado
17.8 ° C
17.8 °
17.8 °
87 %
1.5kmh
100 %
qua
27 °
qui
26 °
sex
28 °
sáb
27 °
dom
28 °
× Alô!!! PTC NEWS!