sábado, 15 junho
Publicidade
Publicidade
InícioCoronavírusMinas não teve pico explosivo de contágio por coronavírus, diz SES

Minas não teve pico explosivo de contágio por coronavírus, diz SES

Chefe de gabinete da saúde de MG, João Pinho disse que ainda que o Estado esteja no pico da pandemia não há necessidade de lockdown

Minas Gerais está na semana considerada pelas autoridades de súde como a de  pico da pandemia de coronavírus e, segundo a Secretaria Estadual de Saúde (SES), com taxa de infecção da população em 0,39%. Estudos sinalizam que em muitos países e até mesmo outros Estados, quando essa taxa chegou ao patamar de 0,7%, notou-se uma diminuição dos casos de coronavírus. Sobre Minas ainda não ter atingido esse número, o secretário de saúde Carlos Eduardo Amaral explicou que pode ser que o Estado sequer alcance tais índices.

“Nossa epidemia está mais horizontalizada, não tivemos um aumento grande de casos em período pequeno, o que foi importante para montar da rede de saúde. Já passamos de 3400 leitos, com uma ocupação geral de 69%, ou seja, temos leitos vagos ainda. Podemos ter em algum local ocupação próxima a 100%, mas atualmente a ocupação mais alta por macrorregião é de 83%. Do ponto de vista de ocupação de leitos, não temos tendência explosiva de ocupação. Estamos vendo a semana inteira e mantendo essa ocupação”, disse Carlos Eduardo Amaral, durante coletiva nesta sexta-feira (17).

O secretário já havia comentado na semana sobre a possibilidade de a população de Minas adquirir imunidade de rebanho – quando de 60% a 70% das pessoas já tiveram Covid-19. Ele disse que, conforme estudos em países como Itália e Espanha, que vivenciaram a pandemia antes do Brasil, a pandemia começou a cair quando entre de 5% e 15% da população em contato com o coronavírus não manifestou a doença. No Brasil, disse Amaral, esse índice ficou em torno de 0,7%.

Lockdown pode não acontecer

Sobre a possibilidade de lockdown em cidades de Minas com maior contágio por coronavírus, durante o pico da pandemia, o chefe de gabinete da saúde João Pinho disse que “Graças a Deus não precisamos tomar mão dessa ferramenta”. Segundo ele, o sistema de saúde foi estruturado para garantir atendimento a todos os pacientes com coronavírus.

“Dados de hoje (sexta), com base na incidência de leitos, não nos colocam com necessidade de lockdown. Se continuarmos abrindo leitos, com a ocupação sem exaustão do sistema de saúde, e a sociedade manter o isolamento, a gente espera não precisar dessa ferramenta (lockdown)”, pontuou.

 

Fonte e matéria EM

VEJA TAMBÉM
Enquete

Qual melhor nome para Patrocínio?

Publicidade
Não foi possível carregar esta votação.

Últimas Notícias

Publicidade
Publicidade
Publicidade
×